Uso de anticoncepcionais orais combinados no tratamento da endometriose

Pesquisadora: Daniela Fernandes Silva

A endometriose é o crescimento anormal do endométrio (membrana mucosa responsável por revestir a cavidade uterina), que geralmente ocorre no útero, ovários, tubas uterinas, intestino ou bexiga1,2,3. Pode ser sintomática ou não e afeta principalmente mulheres em idade reprodutiva1. Os sintomas mais relatados são dor durante o ato sexual, dor pélvica, cólica antes ou durante a menstruação, disfunção sexual, sangramento intenso ou irregular e redução da capacidade de engravidar1,2,4. Porém, outros sintomas (sangramento local, constipação, diarreia e dor ao urinar) podem ocorrer e irão depender do foco endometriótico (local em que houve o crescimento anormal do endométrio)2,4. Também podem ser associados à doença outros sintomas como ansiedade, angústia, depressão, estresse e perda da produtividade no trabalho4.

O objetivo do tratamento da endometriose é reduzir a dor e o tamanho dos focos endometrióticos. O tratamento pode ser medicamentoso, cirúrgico ou a associação desses. A gravidade dos sintomas, extensão e localização do foco endometriótico, desejo de engravidar, idade e infertilidade decorrente da doença são fatores que interferem na escolha do tratamento5.

Os anticoncepcionais orais combinados (associação de estrogênio e progestágeno) são o tratamento de primeira escolha para mulheres que não desejam engravidar e que apresentam sintomas leves2. Mulheres que apresentam dor pélvica são tratadas com anticoncepcionais apenas quando descartadas outras possíveis causas da dor como doença inflamatória pélvica crônica, fibromioma uterino, cistos ovarianos, entre outros4,6,7. Os anticoncepcionais impedem a ovulação e inibem o crescimento do endométrio5,8. Além disso, reduzem a cólica menstrual, a dor pélvica não associada à menstruação, o tamanho dos focos e a dor durante o ato sexual. É importante ressaltar que os anticoncepcionais estão relacionados a um maior risco de trombose em pessoas saudáveis ou com doença cardiovascular pré-existente9,10. Por isso, é importante uma avaliação inicial para verificar se o uso do medicamento é indicado. Além disso, náuseas e sangramento irregular são eventos adversos que podem ocorrer5,8.

Poucos estudos avaliam a eficácia dos anticoncepcionais no tratamento da endometriose, desta forma as informações sobre qual a melhor opção terapêutica para o tratamento e se o uso pode ser prolongado ou não são escassas8. Em um estudo avaliou-se a eficácia de anticoncepcionais orais de baixas doses hormonais no tratamento de 51 mulheres com endometriose, em comparação a 49 mulheres que também tinham a doença e foram tratadas com placebo (comprimido sem substância ativa). Essas mulheres ainda não haviam sido tratadas ou não foram tratadas nas oito semanas anteriores ao estudo com medicamentos hormonais ou submetidas à cirurgia11. Foi observada uma redução significativa da cólica menstrual no grupo que recebeu o anticoncepcional quando comparado ao grupo que recebeu o placebo11.

Além dos anticoncepcionais orais combinados, outros medicamentos estão disponíveis para o tratamento da endometriose como os agonistas do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), danazol e progestágenos. Os anticoncepcionais possuem a vantagem de serem melhor tolerados, pois apresentam menos reações adversas graves e permitem utilização por maiores períodos de tempo quando comparados às outras opções de tratamento8. Contudo, todas as opções farmacológicas apresentam limitações como a impossibilidade de aumentar a fecundidade8 e a inviabilidade desses medicamentos para mulheres que desejam engravidar, pois eles inibem a ovulação.

Todas as opções de tratamento para a endometriose estão disponíveis no Sistema Único de Saúde. A avaliação e o acompanhamento adequado são importantes para a escolha correta do tratamento e para que os seus benefícios superem os riscos, melhorando a qualidade de vida das pacientes.

Fonte: (Cemed) Centro de Estudos do Medicamento – UFMG

Endometriose_referências

Categorias: Assfarma News

1 comentário

Nislene de Deus Pereira · 14 de outubro de 2017 às 01:23

Achei bem explicativo sobre endrometriose falo por mim tive ,mais graças a Deus por orientação de bons médicos hj estou bem .mais e orrivel passei por várias cirugias como retirada do útero e um pedaço do intestino. Tem que se falar mais sobre este assunto tem mulheres que não sabe o que é endrometriose. Parabéns pelo esclarecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *